terça-feira, 28 de junho de 2011

Quer dizer...

Começo uma nova sessão de marcador do Caneta hoje, o Quer dizer... E o Quer dizer vai abordar temas polémicos, muitas vezes de repercussão nacional e internacional. O Quer dizer de hoje foi algo que quase me fez vomitar e acentuar o que falo muitas vezes em tom de brincadeira: sou heterofóbico.

A paz, irmãos?
A ex-atriz e  deputada estadual, Myrian Rios polemizou na rede após uma manifestação no plenário da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro) a respeito da homossexualidade. Só para começar, Myriam relacionou a homossexualidade à prática de pedofilia durante o discurso.

"Eu não sou preconceituosa e não discrimino. Eu prego o amor e o respeito ao próximo." São as primeiras palavras da deputada estadual. Não costumo opinar muito sobre política mas tenho a plena certeza de que o Amor não é algo concreto para se estar em um discursos de defesa à alguma emenda, qualquer que seja ela. Continua : "Na proposta da emenda da PEC 23 o deputado quer fazer uma emenda onde diz no artigo 9 do primeiro parágrafo: Ninguém será discriminado, prejudicado ou privilegiado em razão de idade, raça ou orientação sexual. Porque se for discriminado por orientação sexual, idade ou raça [...] Ora, se somos todos iguais com os mesmos direitos, eu também tenho de ter o direito de não querer um funcionário homossexual na minha empresa, se for da minha vontade." Parafraseando, irônica e propositalmente a travesti sucesso da Internet, Luísa Marillac: Se isso não é ser preconceituosa, porrãm! Que quer dizer preconceito, né?

Onde já se viu comparar sexualidade com trabalho? Quer dizer, se uma mulher lésbica é mandada embora do trabalho por conta de sua opção sexual, isto não é uma forma de preconceito? Porque a deputada Rios cita isso, uma vez que ela mesmo havia dito que prega o amor ao próximo? É possível medir a inteligência e a competência de uma pessoa apenas pelo seu gosto? São tantas perguntas, mas a resposta vem logo com a próxima citação de Myrian: "Vou me posicionar de uma maneira muito franca e direta: digamos que eu seja mãe de duas meninas e eu contrate uma babá e essa babá se mostre que a orientação sexual dela é ser lésbica. [...] Se a minha orientação sexual não for esta, for contrária e querer demiti-la, eu não posso. Eu vou estar enquadrada como preconceituosa discriminativa. O direito que a babá tem de manifestar a orientação sexual dela como lésbica eu tenho como mãe de não quere-la na minha casa para ser babá das minhas filhas, me dá licença?" O que entender disso tudo? A contradição entra no momento em que a deputada diz que não é preconceituosa mas que tem o direito de não querer uma lésbica como babá das filhas. Pode não ser homofobia (ou agressão) mas é inegável que é um preconceito grande da parte desta mulher.


"Eu quero essa liberdade para a minha escolha e orientação sexual também. Então se um rapaz escolheu ser homossexual  o problema é dele. Eu respeito como próximo, como ser humano. Nós vamos orar e clamar a Deus por ele porque a salvação é para todos." Sábias palavras. Em um discurso político e supostamente sem discriminação, a deputada Myrian encara a homossexualidade como um problema. Não estou supondo, estou me apoiando nos fatos e na fala de quem acabou de dizer em um discurso totalmente de ares políticos que irá orar e clamar a Deus por um homossexual. Porque Myrian Rios quer liberdade de escolha e orientação sexual? Nunca vi, em dezoito anos de vida, heterofobia ou heteros sendo mortos pela opção sexual. Então que tipo de liberdade ela quer?

" Eu gostaria que os meus filhos crescessem pensando em namorar uma menina para perpetuar a espécie. Como está em Génesis. Deus criou o homem e a mulher para perpetuar a espécie." Não ouso em citar que o estado, por mais que tenha bases cristãs, é laico. Pra mim, isso não é importante agora, só causaria mais desentendimento. O que talvez não entre na grandiosa mente de Myrian Rios é que não se pode falar religiosamente em um debate político, onde ela mesma afirma ser uma missionária católica. Tenho a convicção de que é assim que surge as brigas que vêem de muitos anos atrás entre o livro da bíblia e o livro da lei, entre cristãos e o restante da sociedade. É errado ser um homossexual que acredita, não naquilo que a bíblia (um livro escrito há mil anos) prega, mas na filosofia de que houve realmente um homem que levou uma palavra de amor e paz ao mundo? Resumidamente, é errado ser um homossexual cristão?

Poderia citar todas as acusações preconceituosas que a deputada fez, chegando até a comparar homossexualidade à pedofilia. Mas de que adiantaria? Uma única pessoa não pode mudar uma legislação. Assim como Myrian Rios sozinha não conseguiu vetar a PEC 23; obteve isso com a ajuda de 39 votos contra e 38 a favor. Sim, caros irmãos em Cristo, a PEC foi rejeitada graças ao manifesto de representantes como Silas Malafaia e a nossa querida irmã Myriam Rios, que teve toda a razão ao dizer que a emenda é uma "porta para a pedofilia."

Quer dizer... fica a minha total e completa torcida (não posso falar sobre todos os leitores do Caneta Esferográfica) para que a mídia não piore a situação. Ou vocês acham que programas humorísticos e novelas, por mais que tenham todas as boas intenções, não faça piorar o preconceito? Vamos torcer também que hajam mais mortes de homens, mulheres e jovens homossexuais para que a nossa querida Myrian Rios e quem mais quiser falar em prol da família brasileira aja como nossos salvadores da pátria e mostrem que são ótimas e dignissimas pessoas. Sinceramente, conto com você irmã Myrian. Amém?


segue o video :

3 comentários:

Thayssa disse...

THAYSSA ZARO: Eu poderia comentar muitas coisas. Algumas principalmente representando o meu asco por esse tipo de pessoa estar nos representando, outras por esse tipo de atitude... Muitas vezes entro em discussões tensas e 'dramáticas'(por parte de outras pessoas, que quando não tem mais o que dizer, começam a ofender) quando defendo o difeito a homossexualidade. Nesse momento enquanto escrevo, tem uma noticia passando na globo, uma união homossexual. adorei =D
Bom, acho que é só. Fael, adorei seu Blog ;D

B.Fernandes disse...

Caraaa! Achei, pra variar, muito bom o post! No entanto, em certos pontos, sou até capaz de... veja bem, não é discordar de você, é tentar agregar para o desenvolvimento do debate.

Outro dia, postei algo assim: "Preconceito não tem nada a ver com expressar sua opinião sobre uma coisa que você conhece e não gosta." A questão da "opção" sexual ainda é um bocado polêmica e controversa. Acho que, em uma sociedade democrática e de direito, vão sempre existir casos e casos a serem analisados. Peço sempre para ponderarmos sobre o que é e o que não é preconceito, porque hoje em dia parece que a liberdade de expressão ficou limitada.

Acredito que esta mulher, tanto quanto um homossexual, possam ter opiniões sobre tudo, e que, muitas vezes essa opinião venha a ser contrária aquilo que acreditamos. Realmente, "opção" sexual não deve jamais ser determinante para o exercimento de uma função, porém, pessoas feias e obesas passam por isso todos os dias e não necessariamente entram na justiça alegando preconceito, e nem existe um grupo lutando pelo direito delas. Não são somente os homossexuais que passam por esse tipo de situação. O contratante pode escolher quem ele quiser para ocupar a vaga que ele disponibiliza, entende? Infelizmente é uma realidade.

O debate ainda será longo. Gosto de dizer que a sociedade deve sim lutar pelo direito das minorias, mas a minoria não deve nunca reger a maioria ou nossos muros continuarão crescendo e as disparidades se acentuando de maneira negativa. Precisamos pensar e muito ainda para encontrarmos saídas que respeitem a todos, corrigindo a maneira da maioria para integrar grupos sociais, e não somente estimular o conflito. Ao meu ver, a PEC 23 era um excelente ponta-pé para tal.

Jane C. disse...

Meu querido amigo!Não seja heterofóbico,não por conta dessa senhora. Ela não representa os heterossexuais, mas sim, talvez, a parte mais nojenta deles.
Quando assisti a esse video,minha reação foi de incredulidade. Chegou a ser bizarro o festival de equívocos apresentado por essa senhora. O preconceito está de tal forma entranhado na mente dela que conseguiu misturar um crime asqueroso que é a pedofilia com a homossexualidade,que não tem absolutamente nada a ver!E a confusão que ela fez com relação ao que dizia a lei me deixou abismada em ver o despreparo de uma deputada, uma pessoa que deveria defender os direitos dos cidadãos,mas no entanto está ali para levantar bandeiras religiosas.
Eu acho curioso como essa gente invoca a "palavra de deus" para defender sua homofobia,mas esquece de ensinamentos básicos que até eu, sendo budista, conheço: Amai-vos uns aos outros,como eu vos amei.Não julgueis para não ser julgado. E,embora eu não ache que seja o caso,acho que cabe aqui: quem nunca pecou,que atire a primeira pedra. Fariseus,é o que eles são!
Eu já estou de saco cheio dessa gente dizendo que os gays querem destruir a família,que são sem moral e outros absurdos.Faço minhas as palavras do Gabriel,O Pensador: "Deixa ele viver em paz!Cada um sabe o que faz!Deixa o homem ter marido!Deixa a mina ter mulher!" Tanta coisa para consertar nesse país e as Casas da política sendo ocupadas como palanque de discurso religioso!!!
Chega disso!
Quero um país sério onde cada um aprenda a cuidar da própria vida!